Caixinha das lembranças

20 10 2010

“Guarde suas vontades.
Não “guardar” no sentido de deixá- las numa gaveta, acumulando pó.
Guardar no sentido de nunca esquecer.
Guarde os dias perfeitos, os sorrisos, o sorvete no rosto, os olhos brilhando em meia luz. Guarde o assombro diante de um presente, diante do novo, do divino.
Mantenha consigo para sempre aqueles que lhe são queridos, as suas famílias adquiridas ao longo da vida, os abraços que deveriam ser eternos, as horas perenes.
Guarde os amigos distantes, as histórias ouvidas, o conforto de se sentir parte de algo maior. Guarde as crianças, mantenha-nas jovens eternamente, muito tempo depois de elas terem perdido a inocência e descoberto a vida real.
Guarde seus sonhos e os lugares que você ama como sempre quis que eles permanecessem.”

E foi assim que o meu projeto de conclusão de curso (em 2007) começou. Com essa poema sobre guardar, lembrar, não esquecer. Lembro direitinho do momento que eu li esse poeminha, escrito pelo Di Mancini (e seu incrível talento com as palavras)… Era óbvio que eu precisava escolher um tema que eu gostasse, mas era tão dificil escolher… E aí tudo ficou muito evidente! eu precisava envolver fotografia! de alguma maneira eu precisava que ela fizesse parte do meu projeto. E fez.

Tirar uma foto é congelar um momento do tempo, que pode ser ampliado, estudado, modificado e tratado para produzir uma ou até milhares de representações gráficas daquele mesmo momento. É uma arte que pode proporcionar maior satisfação, quanto mais fiel for retratado o que se pode ver.

 

amor de irmão

little ones

 

Tecnicamente falando, a palavra FOTOGRAFIA deriva das palavras gregas φως [fós] (“luz”), e γραφις [grafis] (“estilo”, “pincel”) ou γραφη grafê, significando “desenhar com luz” ou “representação por meio de linhas”, “desenhar”. A primeira fotografia reconhecida é uma imagem produzida em 1825 pelo francês Joseph Nicéphore Niépce, numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo chamado Betume da Judéia. Foi produzida com uma câmera, sendo exigidas cerca de oito horas de exposição à luz solar. Em 1835 Daguerre desenvolveu um processo usando prata numa placa de cobre denominado daguerreotipo.

Pela sua natureza, a fotografia é ferramenta ou objeto de estudo da antropologia visual, representada pela imagem. A fotografia é uma imagem e possuí uma linguagem conotativa e denotativa, ou o óbvio e o obtuso. A fotografia também pode ser classificada como tecnologia de confecção de imagens.
Para algumas pessoas, fotografar é um ato prazeroso, de estar figurando ou imitando algo que existe. Já para outras, é a necessidade de prolongar o contato, a proximidade, o desejo de que o vínculo persista.

A fotografia é, pra mim, o melhor registro dos melhores momentos das nossas vidas! Aquela foto de infância, com você sem um dos dentes da frente, sorrindo… ou então, você com fantasia de carnaval, na sua formatura do jardim de infância. Tudo aquilo que você não quer esquecer, sejam momentos, pessoas, lugares…E é a forma preferida de muita gente para registrar os momentos importantes de suas vidas.


Eu tenho várias fotos impressas, e  confesso, poderia ter muito mais (preguiça de mandar revelar). Adoro mostrar as fotos que tirei, contar detalhes de cada um daqueles momentos tão importantes pra mim, é a possibilidade de reviver quantas vezes quiser aquilo que marcou a nossa vida! =)





Um pouco do meu eu

18 10 2010

“a pressa é inimiga da perfeição!”  Juro que essa demora toda não é proposital e eu queria escrever mais frequentemente…

A Ma Bibas publicou há um tempinho um texto que eu achei muito legal! Então resolvi seguir na onda e contar um pouco de mim, só um pouco assim, sem ficar chato… Confesso que o texto ficou pronto no dia que eu li no blog dela, mas eu resolvi fazer uma imagem que expressasse tudo isso! Gostei tanto dessa imagem que coloquei de background no meu desktop! =)

um pouco do meu eu.

Sou designer, sou estudante. Sou uma busca eterna por equilíbrio e satisfação. Sou muito razão. Mas também, emoção. Sou na verdade uma mistura que depende do dia, hora e lugar. Sou busca incansável por perfeição. Não gosto de ser erro, nem metade (não tenho gostado de largar o blog, que eu mal comecei, assim, as traças e teias de aranha).

Sou inverno com sol, largada na grama de um parque qualquer. Mas também sou por do sol na praia em um dia de verão.

Sou bala azeda, de doer a mandíbula. Mas sou o salgado, o empadão de frango e o pão de queijo. Sou arroz e feijão todo dia. Mas também sou o brigadeiro de festa de criança, o cachorro quente, a batatinha frita. Sou nescau todo dia de manhã e sou coca cola ZERO desde que inventaram ela.

Sou Disney, Israel, NY. Na verdade sou viagem, pé na estrada, pra qualquer lugar que você me convide (e que meu dinheiro banque).

Sou memória, embora ela tenha falhado ultimamente. Sou imaginação fértil, criatividade. Sou sonho, mas também sou pé no chão.

Sou verde limão, azul, rosa. roxo também. Sou all star e jeans, sempre que dá. Sou sketchbook pra escrever, qualquer coisa, qualquer hora. Sou livros, sempre e incansavelmente. Sou mestrado, sou dedicação. deveria ser mais dedicação.

Na verdade, sou um pouco de tudo, esse tudo, que eu nao sei exatamente o tamanho, quero poder ser tudo um pouco.

E você?!  =)