Caixinha das lembranças

20 10 2010

“Guarde suas vontades.
Não “guardar” no sentido de deixá- las numa gaveta, acumulando pó.
Guardar no sentido de nunca esquecer.
Guarde os dias perfeitos, os sorrisos, o sorvete no rosto, os olhos brilhando em meia luz. Guarde o assombro diante de um presente, diante do novo, do divino.
Mantenha consigo para sempre aqueles que lhe são queridos, as suas famílias adquiridas ao longo da vida, os abraços que deveriam ser eternos, as horas perenes.
Guarde os amigos distantes, as histórias ouvidas, o conforto de se sentir parte de algo maior. Guarde as crianças, mantenha-nas jovens eternamente, muito tempo depois de elas terem perdido a inocência e descoberto a vida real.
Guarde seus sonhos e os lugares que você ama como sempre quis que eles permanecessem.”

E foi assim que o meu projeto de conclusão de curso (em 2007) começou. Com essa poema sobre guardar, lembrar, não esquecer. Lembro direitinho do momento que eu li esse poeminha, escrito pelo Di Mancini (e seu incrível talento com as palavras)… Era óbvio que eu precisava escolher um tema que eu gostasse, mas era tão dificil escolher… E aí tudo ficou muito evidente! eu precisava envolver fotografia! de alguma maneira eu precisava que ela fizesse parte do meu projeto. E fez.

Tirar uma foto é congelar um momento do tempo, que pode ser ampliado, estudado, modificado e tratado para produzir uma ou até milhares de representações gráficas daquele mesmo momento. É uma arte que pode proporcionar maior satisfação, quanto mais fiel for retratado o que se pode ver.

 

amor de irmão

little ones

 

Tecnicamente falando, a palavra FOTOGRAFIA deriva das palavras gregas φως [fós] (“luz”), e γραφις [grafis] (“estilo”, “pincel”) ou γραφη grafê, significando “desenhar com luz” ou “representação por meio de linhas”, “desenhar”. A primeira fotografia reconhecida é uma imagem produzida em 1825 pelo francês Joseph Nicéphore Niépce, numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo chamado Betume da Judéia. Foi produzida com uma câmera, sendo exigidas cerca de oito horas de exposição à luz solar. Em 1835 Daguerre desenvolveu um processo usando prata numa placa de cobre denominado daguerreotipo.

Pela sua natureza, a fotografia é ferramenta ou objeto de estudo da antropologia visual, representada pela imagem. A fotografia é uma imagem e possuí uma linguagem conotativa e denotativa, ou o óbvio e o obtuso. A fotografia também pode ser classificada como tecnologia de confecção de imagens.
Para algumas pessoas, fotografar é um ato prazeroso, de estar figurando ou imitando algo que existe. Já para outras, é a necessidade de prolongar o contato, a proximidade, o desejo de que o vínculo persista.

A fotografia é, pra mim, o melhor registro dos melhores momentos das nossas vidas! Aquela foto de infância, com você sem um dos dentes da frente, sorrindo… ou então, você com fantasia de carnaval, na sua formatura do jardim de infância. Tudo aquilo que você não quer esquecer, sejam momentos, pessoas, lugares…E é a forma preferida de muita gente para registrar os momentos importantes de suas vidas.


Eu tenho várias fotos impressas, e  confesso, poderia ter muito mais (preguiça de mandar revelar). Adoro mostrar as fotos que tirei, contar detalhes de cada um daqueles momentos tão importantes pra mim, é a possibilidade de reviver quantas vezes quiser aquilo que marcou a nossa vida! =)

Anúncios




Almoçando Arte

28 08 2010
Ontem eu tive certeza que é mais possível do que eu conseguia prever: dá pra juntar arte com qualquer coisa! Fui almoçar no Quintana, aqui em Curitiba, por sugestão e insistência da minha mãe – confesso que eu tinha outras preferências, mas meu tio indicou e ela queria ir lá.

Por fora

Quando entramos percebi que tinha alguma coisa a mais. Claro, que eu não me liguei que o nome do restaurante era em homenagem ao escritor Mario Quintana… Já no jardim, no caminho pra entrar no restaurante tinha uma parede com uma das milhares de frases famosas dele.
O Restaurante é super aconchegante, mas como não estou aqui pra falar nem do ambiente, nem da comida…. Falemos das paredes! Ah! me apaixonei! TODAS as paredes pra onde eu olhei tinham alguma frase de Mario Quintana, algumas com caricaturas do escritor, outras com imagens dele mesmo.

A melhor parede

Mas me surpreendi mesmo, na hora que fui até o caixa com a minha mãe, a quantidade de livros que tinha por ali! Gente, que coisa mais incrível! Me encantei! mesmo!

A Biblioteca

Pra mim, o almoço de ontem foi muito importante! Primeiro, porque depois de muito tempo, consegui escrever alguma coisa novamente (não foi pro Mestrado, mas foi por uma boa causa) e também, porque a minha vontade de aproximação, de desmistificação da arte existe. =)
O próximo lugar, aqui em Curitiba, que eu quero conhecer é o Brooklyn Coffee Shop, que eu li no blog Confissões de uma Doceira Amadora da Marina… Mas claro, ela escreveu sobre as gordices deliciosas de lá e me deixou morrendo de vontade de conhecer!
“Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade.

Mãe, obrigada pelo almoço de ontem!





Arte por aí: Hidden Mickeys

5 07 2010

Não é segredo, e eu não escondo de ninguém, sou uma “Disney Freak” assumida e com muito orgulho! Semana passada fui pra Londrina conhecer o grupo que eu vou acompanhar esse ano e a minha nova dupla! MAs ok, sem divagar muito… com a proximidade do retorno pra NEVERLAND, não resisti e resolvi fazer um Arte por aí dedicado à uma e apenas uma das inúmeras particularidades do complexo Disney: Hidden Mickeys!

Mas, o que seriam “isso” você que nunca ouviu falar em nada parecido deve estar pensando… Bom, Hidden Mickeys nada mais são do que as formas do mickey ºoº em lugares inusitados, inesperados e nao obrigatoriamente sempre visíveis.

plantação na Flórida

Eu tenho um livro, que eu comprei uma das vezes que eu fui pra Disney, porque tem muito hidden mickey, mais do que a gente pode imaginar. Nas filas intermináveis em julho, nada melhor do que se distrair procurando por eles!

Hidden Mickey no Toy Story MidWay Mania

O legal é que o livro dá as dicas de como procurar, etc. etc. etc. Eu nao vou contar aqui, porque perde a graça! o mais legal é procurar e encontrar!!!!

Livrinho parceiro de Disney

Hidden mickey, em primeiro lugar é uma coisa pra pessoas que curtem Disney, porque é claro, se você vai pra lá pela primeira vez, a ultima coisa que você quer ver é um hidden mickey na fila da Splash Mountain. Concordo muito com isso, eu só vim a notar que eles existiam quando trabalhei lá. e olhe, eu fiquei lá por 3 meses… e só dei atenção ou descobri que existia, quase na hora de voltar pra casa!

Not so hidden né?!

O fato é, que a busca é contagiosa! Você começa a procurar, e quando encontra e mostra pra alguém, essa pessoa provavelmente vai, inevitavelmente achar um outro! Na verdade, você começa a procurar hidden mickeys FORA das propriedades disney (eu sei, loucura)! O pior é se você encontra… eu encontrei uns numa mochila aleatória!

Hidden Mickey no Caribbean Beach Resort

Existem também hidden mickeys nos filmes do grupo Walt Disney, e esses, confesso, fazem parte do meu esporte favorito! Eu paro, volto, procuro… até achar! hauhauahauha

Hidden Mickey no filme Branca de Neve

E agora, vou voltar a devorar o livro, porque semana que vem… eu vou procurar mais uns pessoalmente! =)

ºoº Have a magical day! ºoº





Pra levar no bolso

2 06 2010

(depois de um milenio sem atualizar…quem é vivo sempre aparece!)

A minha história de amor com sketchbooks, remete diretamente à minha infância. eu sempre gostei de papelarias, cadernos, canetas e afins. Quem me conhece, sabe. Quem nao me conhece, pode imaginar. Eu lembro perfeitamente do dia que eu realmente conheci o maravilhoso mundo dos sketchbooks, e me apaixonei, era uma lojinha pequena, bem coisa de designer mesmo, tinha aqueles lápis que são de grafite inteiriços, sem o revestimento de madeira, milhares de modelos de papel, coloridos, com textura e infinitos sketchbooks. Me apaixonei tanto que na hora já comprei e em seguida comecei a criar alguns modelos do jeito que eu queria! O fato é que os cadernos sem pauta, com folhas brancas ou creme e talvez um pouco texturizadas na cor creme são práticos para quem quer fazer anotações curtas, desenhos, etc.

O sketchbook mais famoso é o Moleskine uma marca de caderninhos italiana, inspirada no tecido moleskin, utilizado nos cadernos de rabiscos de grandes artistas da história. Os atuais são com capa de papel cartão, revestidos com um material impermeável, o que no meu caso é extremamente importante! E o mais legal: eles estão voltaram à moda! Principalmente porque o escritor Bruce Chatwin descreveu os cadernos de nota que ele utilizou em suas várias viagens.

What is Moleskine? ( mol-a-skeen’-a)
MOLESKINE is the legendary notebook that has held the inspirations and ideas of everyone from Van Gogh, Picasso and Hemingway to famed author, Bruce Chatwin. Artists, authors, and geniuses of all variety have long appreciated the simplicity and superior functionality of these notebooks.” –
MOLESKINE é o legendário caderno de anotações que guardou as inspirações e idéias de todo mundo, de Van Gogh, Picasso, e Hemingway e do famoso autor Bruce Chatwin. Artistas, autores e genios de todas as áreas há bastante tempo a simplicidade e funcionalidade superior desses cadernos.

Existem por aí alguma papelarias especializadas, aqui em Curitiba eu gosto muito da Lou Papeterie a primeira papelaria boutique de Curitiba (que inclusive fez aniversário semana passada!) e que, claro, não tem apenas sketchbooks, e é uma verdadeira perdição (pelo menos pra mim)!!!

Fuçando por aí, descobri o Atelier Machado em Sampa. Eles fazem sketchbooks, muito semelhantes aos moleskines, porém com um preço beeeem mais acessível! Sim, porque esse é o grande detalhe do Moleskine: o preço. Enfim, falando do Atelier, os sketch’s são muito lindinhos, tem vários modelos e é de deixar qualquer um babando!

Eu recomendo para todo mundo, mesmo se você não sabe desenhar… escrever, rabiscar… é a melhor maneira de colocar aquilo que você tá sentindo pra fora. e cada um tem seu jeito! E com certeza, é só procurar que você encontra um que seja a sua cara!






Arte por aí: NY

4 05 2010

NY respira modernidade. A recepção começa no aeroporto com um grande WELCOME TO NEW YORK, o slogan mais sincero, de uma cidade recheada de cultura, entretenimento e claro: ARTE!

Caminhar por Manhattan é praticamente sinônimo de “respirar arte”. Não foram poucas as vezes que ouvi homens tocando jazz no Sax, ali na Times Square, ou então grupos familiares de hip hop, se apresentando nas estações de metrô mais movimentadas, e até na frente da biblioteca pública (cenário do filme: THE DAY AFTER TOMORROW), onde a gente sentou, filmou e assistiu o show, a céu aberto e “gratuito”, eles esperavam umas moedinhas pela belíssima apresentação, nada mais justo! Mas um dos primeiros “monumentos” que eu vi foi o LOVE (citado também no último post), foi o primeiro da “coleção”que eu vi! E já tava tão incorporado à cidade, que passava despercebido por muitos!

Outra apresentação que eu adorei, foi o show de piano da FAO! Esse eu achei até um videozinho!

Falar da arte de NY é simplesmente impossível! Então, eu vou aproveitar hoje pra falar do MET, como conhecido o Metropolitan Museum of Art.

O museu fica localizado no Upper East side, em uma das avenidas que delimita o Central Park. A construção imponente chama atenção já de muito longe. Foi fundado em 1870, por empresários americanos que buscavam levar arte e educação sobre artes para o povo americano. O museu foi crescendo e a construção foi aumentando…

Dentro dele, é fácil se perder no meio de mais de 2 milhões de obras, e 5 mil anos de História, espalhados por inúmeras alas, da arte pré-histórica até a pós-moderna!

Impossível visitar o MET em 1 dia apenas, mesmo que você dedique o dia inteiro ao museu! Mas se você só tiver 1 dia, dedique-se a ver BEM uma parte do museu, não tente ver tudo, porque provavelmente você vai se cansar bem rápido e não absorver absolutamente nada! A minha indicação é a coleção de arte egípcia, ou os trabalhos impressionistas e pós impressionistas.

Enfim, se deixar, emendava no MoMA, Madam Tussaud’s (museu de cera), a própria Biblioteca Pública, O Museu de História Natural, e por aí vai, isso sem contar bairros badalados como o Village, Soho, Chinatown … NY é assim, não adianta ir uma vez só porque sempre falta alguma coisa pra ver, e rever o que você mais gostou!

Eu quero voltar pra conhecer o high line park, o primeiro parque suspenso de NY, localizado no Meatpacking ditrict, ocupando o lugar onde era uma antiga linha de trem.

E alguém me diz: Tem como não amar NY?





Arte por aí: Israel

1 05 2010
Esse mês (dia 15) o Estado de Israel completa 62 anos de existência, entâo pensei em contar um pouco dessa cultura que muita gente não conhece e talvez ainda não tenha ouvido falar!
A arte israelense, propriamente dita, começou junto com a ideia de criação do estado judeu. No começo do século XX. Muita gente nem sabe, mas Israel possui uma das grandes escolas de Artes e Design,  a Bezalel,  que hoje faz parte da Universidade Hebraica de Jerusalem; é possível encontrar a arte Israelense principalmente nos museus das 3 maiores cidades do Estado: Jerusalém, Tel Aviv e Haifa.
Hoje eu vou falar melhor do principal museu, que foi o que eu conheci da primeira vez que eu fui pra lá: O museu de Israel. Localizado em Jerusalém, é o maior e mais importante museu do estado. Possui várias alas que exibem achados arqueológicos, arte do século XX, impressionista, sul-americana e uma ala dedicada a juventude e no jardim, entre as alas, existem algumas esculturas.
Mas o grande destaque do museu é a ala que fica separada, onde estão os pergaminhos do Mar Morto. O prédio é branco e possui um telhado em formato de cúpula, relembrando  o formato das tampas dos recipientes de barro onde os pergaminhos foram encontrados.
O museu é enorme, e eu não consegui ver todas as alas, lembro que fui na escultura “ahava” que significa amor, e é como as esculturas “love” das outras cidades do mundo, só que em hebraico.
Os jardins são uma delícia, e eu me lembro de umas cadeiras em formato de mão, muito legais para sentar!!!! Também tem algumas arvores que são citadas na bíblia, mas confesso que não lembro os nomes.

Pra quem se interessa, ou vai pra Israel, vale a pena passar por la! Mas se você não tem planos de ir pra Israel tão logo, pelo menos você pode dar uma olhadinhas nas fotos!
Também tem o museu da Diáspora, que também é muito legal e o museu dos Tanques… mas isso é pra uma outra conversa…